Cai a tarde

by RM

Lentamente muda a tarde a roupagem

Que do renque de árvores velhas sai;

tu olhas: e acontece dos reinos a clivagem:

um que sobe para o céu, outro que cai;

não pertencendo a nenhum, irás ficar

não tão sombrio como a casa em silêncio,

não tão seguro que possas invocar

o eterno: a noite, a estrela, o céu imenso

e o que fica (o enigma a descobrir)

é a tua vida: um medo, um mundo, um fado

que cresce, ora beco, ora luz a abrir,

e em ti oscila, entre pedra e céu estrelado

 

Rilke, traduzido aqui.